NOTÍCIAS DA DIOCESE

Diocese promove encontro para formação de Catequistas

Aconteceu nos dias 17 e 18 deste mês de outubro no centro de formação diocesano Stella Maris em Triunfo uma formação para catequistas de toda diocese. O encontro teve como tema: "catequese: um novo olhar para uma nova prática", apresentado pelo Sr. Francisco Eduardo, missionário das Paulinas.

Estavam presentes 63 catequistas de 22 paróquias.

Na oportunidade, ficou decidido que a catequese diocesana tomará novos rumos. Será implantado o modelo catecumenal que foi anteriormente apresentado ao clero da diocese que aprovou por unanimidade a proposta. Para iniciar os trabalhos foi ampliada a equipe diocesana de catequese, que agora é composta também por leigos.

Ficando assim represetada:

Zonal alto pajeú - Pe. Elton, Pe. Wellington, Assis e Adriano.

Zonal médio pajeú - Pe. Orlando, Pe. Cláudio, Irmã Rosangela e Cláudia.

Zonal baixo pajeú - Pe. Edilberto, Pe. Rogério Marinho e Luiz.

Além do Padre Cícero,  como coordenador geral.

Assim, fica o desafio que unirá Bispo, Padres, catequistas e toda comunidade na busca de uma iniciação e permanência mais fervorosa na vida Cristã. (Por Adriano Santos e Alecsandro Alcântara)

 

Dom Roque é nomeado Arcebispo de Porto Velho

O papa Francisco nomeou, na manhã desta quarta, 14 de outubro, dom Roque Paloschi como arcebispo da vacante arquidiocese de Porto Velho (RO), transferindo-o da sede episcopal de Roraima (RR). A diocese (Roraima) da qual dom Roque está à frente tem um grande laço com a diocese de Afogados da Ingazeira. Atualmente há dois padres em missão naquela diocese, os padres Aderlan Siqueira e Evandro Oliveira. Dom Roque esteve no mês de janeiro em Afogados da Ingazeira onde participou da ordenação sacerdotal dos cinco novos padres da diocese.

“Fiz-me servo” é o lema episcopal de dom Roque Paloschi. Natural de Lajeado (RS), nasceu em 5 de novembro de 1956. Estudou filosofia na Universidade Católica de Pelotas (1977-1981) e teologia, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1982-1985). Foi ordenado presbítero no dia 7 de dezembro de 1986 em Bagé (RS). De 1997 a 1999, participou do Projeto Igreja Solidário de Moçambique, dedicando-se aos trabalhos missionários e de evangelização com os povos da África. Foi nomeado bispo de Roraima em maio de 2005. De 2011 a 2015 atuou como presidente do regional Norte 1 da CNBB.

Durante a Assembleia Geral do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ocorrida de 15 a 18 de setembro, em Luziânia (GO), dom Roque foi eleito presidente da entidade. O bispo também é membro da Rede Eclesial Pan-Amazônia (Repam), iniciativa da Comissão Episcopal da Amazônia da CNBB, do Departamento de Justiça Social do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam), da Conferência dos Religiosos da América e do Caribe e da Cáritas, com o apoio de organismos internacionais, do Pontifício Conselho da Justiça e da Paz do Vaticano.

Conic apresenta texto-base da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016

O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) publicou o texto-base da Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) de 2016, que será realizada em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), com o objetivo de debater com a sociedade questões do saneamento básico a fim de garantir desenvolvimento, saúde integral e qualidade de vida aos cidadãos. 

O tema escolhido para a reflexão é “Casa comum, nossa responsabilidade” e o lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5.24). A proposta está em sintonia com a Encíclica do papa Francisco, “Laudato Si”. 

Ainda, na apresentação do texto-base, a organização diz que a reflexão da CEF 2016 será “a partir de um problema específico que afeta o meio ambiente e a vida de todos os seres vivos, que é a fragilidade e, em alguns lugares, a ausência dos serviços de saneamento básico em nosso país”. 

CNBB participa de mobilização católica pelo clima

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) iniciou, no mês de setembro, apoio à Petição Católica pelo Clima, uma iniciativa mundial em favor da renovação da relação das atuais e futuras gerações com o planeta, a “casa comum”.

A petição é organizada pelo Movimento Católico Global pelo Clima, uma coalizão internacional, “constituída por leigos e leigas, religiosos e religiosas, clérigos, teólogos, cientistas e ativistas, pessoas de diferentes continentes e estilos de vida, unidos pela fé católica”, que pretendem colaborar com o movimento de renovação das relações do ser humano com a criação e consigo mesmo. A inspiração está no conceito de Ecologia Integral abordado na encíclica do papa Francisco, Laudato Si', e tem o objetivo de motivar o debate sobre as mudanças climáticas.

Em carta, a Conferência recorda seu engajamento histórico “na luta em defesa dos mais pobres”. A CNBB “exorta as pessoas católicas e todas as de boa vontade a assinarem esta importante petição, pensando no cuidado e proteção da natureza, presente de Deus à humanidade”, diz o texto.

ECC Diocesano realiza 8º encontro de 3ª etapa

O ECC Diocesano da diocese de Afogados da Ingazeira realizou nos dias 25, 26 e 27 de Setembro de 2015, no Centro Pastoral Diocesano Stella Maris em Triunfo, o 8º ECC (Encontro de Casais com Cristo) da 3ª Etapa.

Com o tema “Família formadora de valores humanos”, o encontro aconteceu em um clima de oração e reflexão, contando com a participação de casais de diversas paróquias que compõem a diocese.

Esta terceira etapa destina-se a casais que já realizaram as etapas anteriores e estão engajados em pastorais nas paróquias. Em vias gerais, a terceira etapa busca uma reflexão sobre a dignidade da pessoa humana, as injustiças sociais e os conteúdos da Doutrina Social da Igreja. De acordo com o Documento Nacional do ECC, a terceira etapa do encontro de casais com Cristo é um forte momento de reflexão e aprofundamento sobre a dignidade pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus.

Por Kaká Dimacena - PASCOM DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO.

Realizada a 5ª Romaria Diocesana das Cebs

A diocese de Afogados da Ingazeira esteve realizando neste domingo (27) a 5ª Romaria Diocesana das Cebs (Comunidades Eclesiais de Base) na cidade de Carnaíba. O evento teve início por volta das 06h com concentração das caravanas na entrada da cidade, saindo em caminhada até a Escola Joaquim Mendes onde aconteceu a celebração da Santa Missa.

O tema deste ano da Romaria Diocesana das Cebs foi: Bíblia, Água e Meio Ambiente. A bíblia por ter o mês de setembro dedicado a ela, a água que está escassa na região do Pajeú e meio ambiente devido à degradação que a cada dia vem aumentando.

O padre Luís Marques (Pe. Luizinho), que é o responsável pelo setor social da diocese, esteve presidindo a Missa falou sobre os dois temas que estão em evidências no momento na região, água e meio ambiente. Padre Luizinho disse que o Rio Pajeú, hoje, somente o que se encontra são esgotos que são despejados pelos municípios ao longo de seu trajeto, desde a sua nascente até o encontro com o Riacho do Navio. O padre também criticou a forma desenfreada com o desmatamento que vem acontecendo na região do Pajeú, em centenas de caminhões saem todas as semanas carregando a vegetação (Caatinga) predominante da região.

Ainda segundo o padre, todos que ali estavam presentes tinham que ter consciência e colocar em prática apenas uma palavra: preservação.

Estiveram concelebrando os padres Antônio Cláudio, Daniel Gomes, José Ailton (coordenador das Cebs), José Viana e Antônio Gonçalves de Anchieta.

A corrupção não pode ser tolerada, afirma CNBB em nota

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), divulgou na quinta-feira, 27 de agosto, uma nota sobre a situação atual do Brasil. O documento foi aprovado pelo Conselho Episcopal Pastoral da entidade, que esteve reunido nos dias 25 e 26 deste mês em Brasília.

Na nota, os bispos abordam algumas dificuldades da realidade brasileira atual, como aquelas enfrentadas no cenário político e econômico. Eles reafirmam que o diálogo e a luta contra a corrupção são meios para preservar e promover a democracia.

Confira a íntegra da nota: 

Nota da CNBB a favor do Brasil P- Nº. 0579/15

“Os que querem enriquecer caem em muitas tentações e laços, em desejos insensatos e nocivos, que mergulham as pessoas na ruína e perdição. Na verdade, a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro” (1Tm 6,9-10).

A população brasileira acompanha, apreensiva, a grave crise que atinge o país, procurando conhecer suas origens, resistir às suas consequências e, sobretudo, vislumbrar as soluções. A realidade é dura e traz de volta situações que, por algum tempo, haviam diminuído significativamente como o desemprego, a inflação e a pobreza.

Pagamos um alto preço pela falta de vontade política de fazer as reformas urgentes e necessárias, capazes de colocar o Brasil na rota do desenvolvimento com justiça social quais sejam as reformas política, tributária, agrária, urbana, previdenciária e do judiciário. O gasto com a dívida pública, o ajuste fiscal e outras medidas para retomada do crescimento colocam a saúde pública na UTI, comprometem a qualidade da educação, inviabilizam a segurança pública e inibem importantes conquistas sociais.

A corrupção, metástase que atinge de morte não só os poderes constituídos, mas também o mundo empresarial e o tecido social, desafia a política a seguir o caminho da ética e do bem comum. Combatê-la de forma intransigente supõe assegurar uma justa investigação de todas as denúncias que vêm à tona com a consequente punição de corruptos e corruptores. A corrupção, gerada pela falta de ética e incentivada pela impunidade, não pode ser tolerada.

É urgente resgatar a credibilidade da atividade política em que seja fortalecida a cultura inclusiva e democrática, pois um “método que não dá liberdade às pessoas para assumir responsavelmente sua tarefa de construção da sociedade é uma chantagem”, e “nenhum político pode cumprir o seu papel, seu trabalho, se se encontra chantageado por atitudes de corrupção” (Papa Francisco aos representantes da sociedade civil, no Paraguai, 11 de julho de 2015). A chantagem “é sempre corrupção”. Lamentavelmente, o cenário político brasileiro não está isento desta condenável prática.

É inaceitável que os interesses públicos e coletivos se submetam aos interesses individuais, corporativos e partidários. As disputas políticas exacerbadas podem comprometer a ordem democrática e a estabilidade das instituições. Garantir o estado de direito democrático é imperativo ético e político dos brasileiros, mormente dos que não viveram nem testemunharam as arbitrariedades dos tempos de exceção. O bem do Brasil exige uma radical mudança da prática política.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, através do Conselho Episcopal Pastoral-Consep, reunido em Brasília, nos dias 25 e 26 de agosto, reafirma o diálogo e a luta contra a corrupção como meios para preservar e promover a democracia. Nesse diálogo, devem tomar parte os poderes constituídos e a sociedade civil organizada. Com o Papa Francisco, lembramos que “o futuro da humanidade não está unicamente nas mãos dos grandes dirigentes, das grandes potências e das elites. Está fundamentalmente nas mãos dos povos; na sua capacidade de se organizarem e também nas suas mãos que regem, com humildade e convicção, este processo de mudança” (Discurso aos participantes do II Encontro Mundial dos Movimentos Populares, Bolívia, 9 de julho de 2015).

O Espírito Santo nos ajude a dar a razão de nossa esperança e nos anime no compromisso de agir juntos pelo bem comum do povo brasileiro.

Brasília, 26 de agosto de 2015.

Dom Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília-DF
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador da Bahia- BA
Vice-presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília-DF
Secretário-geral da CNBB

Diocese abriu 2ª Escola para Ministros da Palavra e promoveu encontro da Pastoral do Dízimo e OVS em Triunfo

No dia 8 de agosto no Stella Marys em Triunfo/PE, teve a abertura feita pelo bispo dom Egídio Bisol da 2ª Escola de Formação para Ministros Extraordinários da Palavra que contou com a participação de aproximadamente 90 inscritos de várias paróquias. Em abril deste ano, foram instituídos 132 Ministros da Palavra que já atuam em todo o território da diocese. O encontro realizado foi coordenado pela Pastoral Litúrgica da diocese.

Também no mesmo dia, aconteceu o 1º Encontro Diocesano de agente da Pastoral do Dízimo, já que neste mês de agosto, a diocese está vivenciando a Campanha de Evangelização do Dízimo trazendo como tema “Dízimo sinal de Solidariedade” e com tema “Eu vim para servir”. Por conta disso, a diocese promoveu um encontro de avaliação do trabalho, planejamento e formação para os agentes dessa pastoral. Agentes de 12 paróquias estiveram participando desse encontro.

Simultaneamente aos dois eventos, ocorreu também o 1º Encontro Diocesano de Animadores da Obra das Vocações Sacerdotais (OVS). Uma equipe da diocese de Nazaré da Mata esteve coordenando e assessorando o encontro, já que a referida diocese tem uma experiência excelente em que os membros da OVS se tornaram um Apostolado. O encontro serviu para que se possa criar uma nova estrutura na diocese de Afogados da Ingazeira com uma nova organização dos que compõem a OVS e que mais pessoas possam participar. Quem esteve à frente dos trabalhos foi o padre Edinaldo que atualmente é o vigário paroquial da Paróquia de Nossa Senhora dos Remédios em Tabira.

Dom Egídio abençoa novas instalações do Seminário Maior da diocese em Recife

Foi inaugurado na última terça-feira (4) no Recife as novas instalações do Seminário Maior São Carlos Borromeu da diocese de Afogados da Ingazeira. A benção e entrega do imóvel foi realizada pelo bispo dom Egídio Bisol e que contou com a participação de vários padres da diocese, além dos seminaristas que irão residir no seminário, num total de 12.

“Mais um sonho se realiza, mais um sinal do amor de Deus para nossa diocese. A benção das novas instalações do Seminário Maior Diocesano São Carlos Borromeu, em Recife, é motivo de grande alegria e de renovado compromisso com a formação dos futuros padres da Igreja no Pajeú. Sejam dadas graças ao Senhor da messe e a todos os benfeitores”, disse dom Egídio.

Diocese de Afogados festejou o dia de sua padroeira e instalou Mosteiro

A diocese de Afogados da Ingazeira está em festa. Na noite da quarta (22 de julho) aconteceu na Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios, a missa de encerramento da festa de Santa Maria Madalena padroeira da diocese. A Concelebração Eucarística foi presidida pelo bispo dom Egídio Bisol e que contou com a participação de vários padres da diocese.

Em sua homilia, dom Egídio disse que a festa da padroeira, deve ser ocasião propícia para cada um de nós, para que a nossa Igreja se questione novamente como buscamos o encontro com o ressuscitado e falou sobre o encontro entre Maria Madalena e Jesus. “Foi encontrando Maria Madalena que o Ressuscitado começou a fazer novas todas as coisas. Como se deu a ressurreição, ninguém sabe, ninguém pode descrever. Mas a ressurreição é um evento real, porque o Ressuscitado realmente se encontrou com seus discípulos começando por Maria Madalena, como narra o Evangelho”, disse. Ainda, segundo dom Egídio, a experiência de Maria Madalena é fundamental para cada um de nós.

Durante a Concelebração, aconteceu a apresentação de forma oficial das Monjas Carmelitas, madre Aurilúcia, e as Irmãs Maria Clara e Joana que agora atuarão na diocese de Afogados da Ingazeira. Elas já tinham sido apresentadas em outra oportunidade aos diocesanos. Esteve presente para participar desse momento histórico para a diocese do Pajeú, o Frei Sales, Secretário Geral da Ordem Carmelita.

 

 

 

Paróquia

Nossa Senhora da Conceição

Paróquia

Senhor Bom Jesus dos Remédios